Lição 07

José: Fé em Meio às Injustiças

4° Trimestre de 2016

capanovaeditadaadultos

INTRODUÇÃO
I – DOIS SONHOS E MUITAS CRISES 
II – A CRISE DA COVA E DA ESCRAVIDÃO 
III – SABEDORIA PARA ADMINISTRAR A CRISE 
CONCLUSÃO

José era o décimo primeiro filho de Jacó, e primeiro filho da mulher a qual seu pai mais amava: Raquel. Conhecendo o contexto da família em que José nasceu não é difícil compreender o porquê de o futuro maioral do Egito enfrentar tantas crises familiares. Além das crises internacionais, quando José era o maioral do Egito, ou antes, de chegar a ser uma autoridade respeitada na terra do rio Nilo, a crise doméstica do filho amado por Jacó revelava muito do seu caráter. Com José aprendemos que antes de Deus nos levar a enfrentar crises complexas, Ele nos instrui com as pequenas lutas familiares. No seio da família somos forjados para a luta e o encontro com a vida.

A irmã de Raquel, Leia, já havia dado seis filhos e uma filha para jacó. A relação entre ⯑aquel e Leia era muito difícil, pois enquanto a irmã mais velha havia dado sete filhos a Jacó, Raquel era estéril e, consequentemente, não havia dado nenhum filho para seu amado marido. Não dar à luz na época dos patriarcas era motivo de vergonha e de humilhação. Certamente, a partir de cada encontro entre Raquel e Leia a dor de não ser mãe desaguava na mente e coração da amada de Jacó. Embora o tempo seja outro, qualquer mulher sente a dor incomensurável de quando deseja ser mãe e não consegue. A dor de Raquel é a dor de muitas mulheres do século XXI!

O contexto de desentendimento e de dor entre Leia e Raquel alimentou o ódio dos filhos de Leia para com José, o filho de Raquel. O ódio regado dentro da própria casa quase foi finalizado com uma tragédia. Esta, porém, foi impedida pelo primogênito de Jacó, Rúben. Entretanto, a sua atitude de poupar José não foi suficiente para impedir seus irmãos de vendê-lo para uma caravana de compradores de escravos. A marca da trajetória do filho amado de Jacó é que mesmo em meio a tanto desprezo e desconsideração, José não permitiu que o seu coração fosse devorado pelo ódio. Humanamente, seria justo José devolver na mesma moeda quando teve a primeira oportunidade de fazê-lo. Mas não o fez. Preferiu compreender que tudo o que ocorreu era o Deus de seus pais preparando o caminho para conservar a sua família num contexto de fome e miséria mundial.

A vida de José nos ensina que devemos guardar o nosso coração do ódio, da vingança e da ação maligna. Saber gerenciar as crises com o olhar e a sabedoria de Desus é o nosso grande desafio hoje. Sob os cuidados e a orientação do mestre divino isso é possível!

Subsídio da Revista Ensinador Cristão. 

Contatos

Casa Publicadora das Assembleias de Deus

Av Brasil, 34401 - Bangu / RJ

  • (21) 2406-7373

Newsletter

Preencha os campos abaixo e receba nossas ofertas e novidades por e-mail.

Redes Sociais

Estamos nas Redes Sociais. Siga-nos e entre em contato.

 

facebook instagram twitter youtube google