“O caráter se mostra no testemunho”

elinaldo

A revista Lições Bíblicas de Escola Dominical da CPAD do segundo trimestre deste ano trata sobre o caráter do cristão, e o comentarista é o pastor Elinaldo Renovato de Lima, líder da Assembleia de Deus em Parnamirim (RN), autor da CPAD, professor universitário com formação em Ciências Econômicas, conferencista nas áreas de Teologia e Família, e membro da Casa de Letras Emílio Conde.

Nesta entrevista, ele trata sobre o tema da nova revista e sua importância para a igreja brasileira nos dias de hoje. A edição 70 da revista “Ensinador Cristão” (CPAD), que estará disponível nas lojas e no site da CPAD (www.cpad.com. br) no final deste mês traz esta entrevista na íntegra. Aqui, reproduzimos apenas uma parte dela. 

Qual a relação entre espiritualidade e caráter?
A espiritualidade refere-se ao relacionamento do homem com Deus. Não se pode negar que Davi, Abraão e outros homens tinham de fato uma vida espiritual reconhecida por Deus. Mas a natureza carnal, herdada de Adão, não é eliminada na vida de um servo de Deus. Ela deve ser subjugada pelo Espírito Santo. Mesmo espirituais, homens não se tornam perfeitos. Se não orarmos, vigiarmos e nos santificarmos, poderemos cometer graves pecados. O caráter humano é sujeito às fraquezas. A solução é andar “em espírito” para não cumprir “a concupiscência da carne” (Gl 5.16). 

O caráter de um cristão pode mudar para melhor ou pior de acordo com o tempo e o contexto?
O caráter revela o senso de ética e moralidade que uma pessoa tem, e é demonstrado por suas atitudes, práticas e testemunho. Se o homem não estiver em comunhão com Deus todo tempo, seu caráter pode mudar de acordo com as influências e as circunstâncias em que vive. Um santo pode tornar-se ímpio. Um ímpio pode tornar-se santo. O cristão deve ser santo “em toda a maneira de viver” (1Pe 1.15). 

Qual é o impacto de vivermos o caráter cristão num contexto de corrupção? 
Isso faz toda diferença. Ser cristão é ser “sal da terra” e “luz do mundo”. O sal evita a decomposição dos alimentos. O crente, como “sal da terra”, contribui para evitar a deterioração do comportamento humano. Como “luz”, ele reflete a presença de Deus em sua vida, e mostra o caminho certo. Vivemos em uma época na qual a corrupção se tornou epidemia em nosso país. A igreja cristã precisa fazer o que Malaquias exortou: levantar-se contra a corrupção “que destrói grandemente” (Ml 2.10). 

Costumeiramente, as pessoas confundem personalidade com caráter. Qual a melhor forma de falar sobre a diferença entre ambos? 
A personalidade representa o que “a pessoa” é, como resultado de sua herança familiar, de seus pais, de sua formação na infância, no lar. O caráter reflete a conduta, as atitudes, as ações e práticas que a pessoa cultiva. O crente demonstra o caráter cristão por seu testemunho. Jesus disse: “Pelos seus frutos o conhecereis” (Mt 7.20). 

Sobre a doutrina do pecado original, como o pecado se espalhou pela humanidade? Como isso aconteceu? 
Paulo diz: “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram” (Rm 5.12). Isso – a entrada do pecado no mundo – aconteceu porque o homem deixou de ouvir a voz de Deus e, usando o seu livre-arbítrio, ouviu a voz do Diabo. Em consequência, a “carne” ou a natureza carnal é transmitida de pai para filho. 

Em sua opinião, essa revista tratando sobre a regeneração moral mediante a salvação em Cristo veio em boa hora?
Creio que sim. Imagino que a definição de um tema para a Escola Bíblica Dominical, que alcança toda a igreja, tem a direção de Deus. Vivemos em uma época em que a sociedade está mais corrompida do que a do tempo de Noé e a do tempo de Sodoma e Gomorra. O conteúdo dessa revista é um alerta aos cristãos. Inclusive para evitar ensinos espúrios, pois é necessário o ensino constante e sistemático da Palavra de Deus para levar as pessoas a se renderem de fato aos pés do Senhor. A igreja precisa, como disse Malaquias, se levantar contra a corrupção que ‘destróigrandemente’ É importante para o novo convertido ser apresentado às doutrinas bíblicas da Salvação e da Santificação. Certamente. Os personagens tomados como exemplo de caráter a ser imitado, que estudamos na revista do próximo trimestre, demonstram que é indispensável ter uma vida de santidade para ser salvo. O estudo da Doutrina da Salvação e da Doutrina da Santificação mostra que ser salvo não é só ser membro de uma igreja, mas é ser justificado, regenerado e viver em santificação, “sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14; 1Ts 5.23). 

Jesus preocupava-se com os moribundos e demais necessitados. Em sua opinião, algumas igrejas vêm perdendo gradativamente essa importante característica?
Realmente, Jesus demonstrou que seu evangelho não é só para o espírito e para a alma, mas também para o corpo. O verdadeiro evangelho busca atender às necessidades espirituais, emocionais,sociais e físicas do homem. Ele multiplicou o pão duas vezes. Tiago traduziu muito bem o que é a “verdadeira religião”: “A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e guardar-se da corrupção do mundo” (Tg 1.27). A igreja cristã deve ter essa visão.

Sendo Deus um ser amoroso, como explicar o sofrimento como uma ferramenta por Ele utilizada com propósitos didáticos?
Deus não criou o sofrimento. Este é consequência do pecado do homem. A humanidade sofre por dar as costas para Deus. Deus permite o sofrimento por vários motivos. No sentido positivo, para fortalecer a fé do crente. A fé aprovada é a fé que é provada. Diz Paulo: “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz a paciência” (Rm 5.3). No sentido negativo, Deus mesmo pode provocar sofrimentos como forma de restaurar o homem aos seus caminhos. No Antigo Testamento, Deus levantou inimigos contra Israel parafazê-lo arrepender-se de suas iniquidades, idolatria e apostasia, como vemos no livro de Juízes.

Considerando que o caráter está essencialmente ligado à alma humana, como podemos entender a relação que se estabelece entre o caráter do homem e o pecado original? Ou, em outras palavras, quais os efeitos deixados pelo pecado sobre o caráter humano?
Os efeitos do pecado atingiram em cheio o caráter humano. Quando Adão pecou, a primeira coisa que fez foi esconder-se de Deus. Questionado, ele respondeu a Deus que teve medo, ao ouvir a voz do Senhor. Ali, começaram as enfermidades de origem nervosa, que são responsáveis por grande parte de todas as doenças. A mulher sofreu as consequências sobre a maternidade. Não demorou, Caim matou Abel; começou a ciranda da violência e da morte e das guerras entre os homens. Depois, veio a idolatria cada vez mais acentuada, afastando o homem de Deus. E o egoísmo, a desconfiança, o medo, a culpa, a cobiça, a prostituição, as feitiçarias e outros males das “obras da carne” (Gl 5.19-21). Tudo isso faz parte do caráter não regenerado do homem sem Deus.

Fonte: Mensageiro da Paz, edição 1581, Fevereiro de 2017. 

Contatos

Casa Publicadora das Assembleias de Deus

Av Brasil, 34401 - Bangu / RJ

  • (21) 2406-7373

Newsletter

Preencha os campos abaixo e receba nossas ofertas e novidades por e-mail.

Redes Sociais

Estamos nas Redes Sociais. Siga-nos e entre em contato.

 

facebook instagram twitter youtube google